ZUENIR VENTURA – Recato e carisma (Dilma Roussef)

Publicado: 6 de abril de 2011 em Notícias e política, Opinião
Tags:,

GLOBO – 06/04/11

Lendo o balanço dos 100 primeiros dias de Dilma Rousseff no governo, encontram-se os motivos que a levaram a atingir o fabuloso índice de 73% de aprovação do seu desempenho pessoal. Os observadores apontam vários fatores para justificar esse sucesso popular – principalmente os de natureza objetiva, como medidas políticas e econômicas. A grande surpresa da surpreendente Dilma, porém, o fator de que ninguém suspeitava foi o carisma. Quem diria? Sim, porque o que mais tem impressionado nela, por inesperado, é o modo de proceder, mais até do que as realizações concretas, ainda que tenha algumas a seu crédito, contrariando às vezes as expectativas gerais e a si própria. Em pelo menos dois casos isso ocorreu: no corte orçamentário e na suspensão dos concursos públicos, aos quais era contra em campanha. Além disso, encarou as centrais sindicais na discussão do salário mínimo, demitiu Emir Sader antes de admiti-lo e, no plano externo, deu ênfase à defesa dos direitos humanos e aproximou-se dos EUA.
Mas foi o conjunto de gestos e atitudes o que fez a diferença entre ela e seu descobridor. Quem não conhece a natureza humana, o seu gosto pela ultrapassagem, o peso do ego nas motivações e condutas políticas, acreditava que Dilma seria um genérico de Lula, uma espécie de “laranja” através do qual ele continuaria governando à distância. No entanto, sem se voltar contra o criador, como é comum, ela resolveu imprimir sua marca própria, estabelecendo distinções. Eu resumiria a peculiaridade do estilo de cada um, o traço do temperamento de ambos em uma palavra: protagonismo. O termo – um modismo derivado de protagonista e ainda não dicionarizado – não foi introduzido no vocabulário político por Lula, mas ele utilizou-o como marca registrada de comportamento.
Não é que Dilma não queira o protagonismo – que político não quer? -, mas quer de maneira oposta à de Lula, sem exibicionismo, sem a compulsão de aparecer a todo custo. Exemplos dessa conduta discreta foram observados em momentos como a visita de Obama, em que não quis brilhar mais do que o visitante, e no último fim de semana, quando foi ao teatro em Brasília, discretamente, sem chamar a atenção da imprensa, sem atrapalhar o espetáculo, quase despercebida. Já imaginaram a mesma cena com Lula? Ele subiria ao palco.
Na sua ambiguidade, o brasileiro gosta muito de efusão, mas também admira o recolhimento. Na pesquisa do Ibope não foi perguntado de que é feito o carisma da presidenta. Eu me arriscaria a supor que a resposta seria recato e firmeza.
Ela está apenas começando, mas é um bom começo para quem vai ter de enfrentar, ao que tudo indica, um ano duro de roer.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s